Suspeitos de ameaças na escola Barão do Rio Branco já foram identificados

Autoridades se mobilizaram para prevenir ataques e violência nas escolas

A Secretaria de Estado da Educação (Seed), reuniu na manhã desta segunda-feira (3), com órgãos ligados à segurança pública e à defesa da criança e do adolescente, para tratar sobre o fortalecimento da segurança na rede estadual de ensino.

O objetivo foi reforçar programas como o E-Paz, que busca promover a cultura de paz e a prevenção à violência nas escolas, garantindo um ambiente tranquilo para toda a comunidade escolar.

A tratativa se deu após rumores de atentados nas instituições de ensinos do Amapá, propagados nas redes sociais. No último sábado (1), uma live transmitida pela página do Instagram, deixou alunos, pais e servidores da Escola Estadual Barão do Rio Branco, localizada no centro de Macapá, apreensivos.

No vídeo, duas pessoas mascaradas informaram sobre um possível ataque na instituição de ensino. Por causa da ameaça, a direção do colégio decidiu suspender as aulas na data de hoje.

Na semana passada, outro fato semelhante ocorreu no município de Santana. Um aluno da escola Irmã Maria José, publicou em uma página do Facebook, enigmas e fez com que as aulas fossem canceladas. Em seguida, depois de ter sido identificado, o estudante emitiu nota pedindo desculpas e alegando que tudo não passou de uma brincadeira. Mesmo assim, ele irá responder judicialmente pelo ato.

A secretária Sandra Casimiro, da Seed, disse que atividades para prevenir esse tipo de conduta estão sendo adotadas.

“Nós estamos acompanhando a repercussão de casos que aconteceram em outros estados e, por isso, já contactei com os outros secretários para saber das ações que estão sendo desenvolvidas por eles. Estamos discutindo a reorganização, os protocolos das redes de educação com todos os órgãos possíveis, para garantir a segurança dos alunos e educadores”, garantiu Sandra.

Sobre o caso da escola Barão do Rio Branco, o secretário de Justiça e Segurança Pública, delegado José Neto, informou que dois supostos envolvidos já foram identificados.

Os adolescentes serão intimidados para prestar esclarecimentos na Delegacia Especializada em Investigação de Atos Infracionais (Deiai).

“É importante lembrar que esse atos tem consequências penais e consequências graves. Inclusive, os responsáveis por esses menores, poderão responder civil e administrativamente”, enfatizou José Neto.

O secretário frisou ainda, a importância dos projetos sociais existentes na Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Polícia Civil, como combate a esse tipo de conduta.

“Uma das medidas a serem adotadas, será o incentivo a esses projetos socais. Eles precisam chegar em outras regiões. Outro ponto, será criar campanhas educativas voltadas para esses alunos e, principalmente, para os pais”, finalizou o secretário.

Além da Seed e Sejusp, Delegacia Geral da Polícia Civil, Polícia Militar, Ministério Público e Conselho Tutelar, participaram da reunião.

Facebook
Twitter
Email
WhatsApp

Deixe um comentário

Outras Notícias