Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Condenado a mais de um século de prisão é capturado tentado fugir do Amapá

Policiais do Núcleo de Capturas prenderam na noite desta quinta-feira (17), um homem condenado a mais de 110 anos de prisão. José Augusto Miranda Dos Santos, de 49 anos, foi localizado em via pública, na Avenida Henrique Galúcio, no Centro de Macapá, quando se preparava para fugir do Amapá.
O delegado Kleyson Fernandes, chefe da Capturas, disse que já estava monitorando o criminoso, que é considerado de alta periculosidade.


“Só pra terem idéia, as condenações penais dele são desde 2003. Em um único processo ele recebeu mais de 70 anos de reclusão”, disse a autoridade policial. J. Miranda, como o bandido em conhecido, estava em uma parada de ônibus, próximo ao Mercado Central, com uma mochila e uma quantia considerável em dinheiro. “Eles estava esperando o ônibus para ir para a cidade de Santana e de lá pegaria uma embarcação.”, revelou Fernandes, completando que o homem resistiu à prisão e precisou ser contido.


Em sua ficha criminal, J. Miranda coleciona homicídios; roubos; extorsão e tráfico de drogas, mas sua especialidade é estupros contra mulheres. Para atraí-las, o criminoso costuma usar fotos de um delegado da Polícia Federal.


Em dezembro de 2021 ele foi preso após ter sido denunciado por uma de suas vítimas, no momento e que estava prestes a cometer mais um crime de abuso sexual. Tempos depois, o criminoso recebeu o benefício da prisão condicional, mediante o uso de uma tornozeleira eletrônica, alegando que faria tratamento de saúde. No entanto, o mesmo rompeu o aparelho e não foi mais encontrado.


“Esse indivíduo sempre usa armas para praticar os estupros. O último caso que soubemos, aconteceu no dia 18 de abril deste ano. A vítima foi rendida com uma arma de fogo após anunciar o aluguel de um apartamento. Ele fingiu estar interessado, disse que era policial federal e, chegando lá, cometeu a atrocidade. Inclusive, submeteu essa mulher a violências sexuais das oito horas da noite até a uma da madrugada. Coletamos provas e representei pela prisão do mesmo, o que foi deferido pelo judiciário”, detalhou a titular da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher, delegada Marina Guimarães.

Facebook
Twitter
Email
WhatsApp

Deixe um comentário

Outras Notícias